Mantra.

download

Isto não têm importância.

A magia da vida acontece enquanto vivemos as coisas banais do dia a dia, dizia o Velho, como carinhosamente chamávamos o monge mais antigo do mosteiro. Lembro disto ao perceber como desperdiçamos tempo e energia em situações que não têm nenhuma importância para as nossas vidas e, desta maneira, terminamos por atrasar a fantástica viagem ao permitir que naveguemos em círculos. “Isto não tem importância” é um mantra de uma única frase que ele repetia e ensinava o tempo todo. Todos os dias há pelo menos um momento mágico que pode transformar a vida. O segredo para ver e atravessar esse portal reside em suas escolhas e, para exercê-las com plenitude, não se pode estar distraído ou enfraquecido com o que não tem importância. As urgentes desnecessidades são armadilhas do Caminho.

Certa vez chegávamos de uma longa viagem e havia uma enorme fila para atravessar o controle alfandegário do aeroporto. Enquanto eu acompanhava irritado o lento desenvolvimento da fila, o Velho estava sereno e parecia encantado com qualquer coisa que estivesse a sua volta. Quando estava para chegar a nossa vez, um casal, entre abraços e beijos, atravessou a nossa frente, nos fazendo esperar mais um pouco. Olhei indignado para o Velho e antes de iniciar o meu discurso sobre falta de educação, ele falou baixo, quase em tom de sussurro, “isto não tem importância”. E antes que eu pudesse me alongar nas palavras para rebater o seu mantra, um funcionário nos chamou para passar pelo controle. Ele apenas me olhou com o seu sorriso maroto como se dissesse “viu?”. “Gosto de ver casais apaixonados”, justificou, a aumentar ainda mais o volume da minha impaciência. Percebi que eu, embora bem mais jovem, caminhava pesado por carregar as pedras da irritação; o Velho, apesar da inexorabilidade do tempo, circulava lépido e fagueiro pelo saguão do aeroporto. E pela vida. Entendi que sabedoria e amor dão asas.

Noutra ocasião, enfrentávamos o engarrafamento no trânsito de uma grande cidade, comigo ao volante, quando fui fechado por outro motorista, que não satisfeito, ainda me ofendeu. Contrariado, olhei para o Velho sentado no banco do carona em busca de sua cumplicidade contra aquela falta de civilidade.  Ele apenas me sorriu e mantrou, “isto não tem importância”. E continuou a se encantar com o burburinho daqueles que andam apressados pela  vida. Tentei discordar, porém fui interrompido por um leve toque em meu braço e pela sua fala mansa. “De um jeito ou de outro continuamos a viagem”. Não satisfeito, rebati que a pressa daquele motorista quase provocou uma colisão. O Velho tornou a se virar para mim. “Por que se chatear e perder tempo com o que não aconteceu?”. Silenciei-me. Ali entendi que a falta de tolerância apenas atrapalha a viagem.

Um pouco mais a frente paramos em um sinal vermelho. Um rapaz veio até a minha janela e pediu uma esmola. Alegou que tinha fome. Afeito aos perigos típicos das metrópoles, mantive o vidro fechado e a expressão facial dura, como automatismo de defesa. O Velho fez sinal para que o jovem fosse até a sua janela, entregou-lhe uma nota e ofereceu o seu melhor sorriso. Recebeu outro belo sorriso de volta. Imediatamente disparei a surrada retórica de que aquele rapaz talvez usasse o dinheiro para comprar drogas e não comida. O Velho me olhou com serenidade e recitou o mantra, “isto não tem importância”. Retruquei sob alegação de que a sua atitude talvez estivesse afastando o jovem da rotina saudável do trabalho. “Isto não tem importância”, tornou a recitar o mantra. Porém, ampliou o ponto de vista. “A fome tem pressa. Fiz a minha parte da melhor maneira que me foi possível. Cada um faça a sua e entenda a responsabilidade por suas escolhas. Nunca saberei se aquele jovem usou o dinheiro para comprar drogas ou saciar a fome. A escolha será dele, eu apenas ofereci ao rapaz o meu melhor e a oportunidade que neste momento a vida apresentou a mim e a ele”. Calei-me e entendi que sem compaixão a viagem se torna impossível.

Em outro momento estávamos a caminho de um cerimonial familiar. Eu estava ansioso para rever parentes que não encontrava há anos e sentir como reagiriam com a passagem da minha avó para o outro plano, vez que ela era uma típica matriarca, ao mesmo tempo amorosa e participativa, quase intrusa, nos projetos individuais de cada filho ou neto. O tempo estava muito ruim e o medo de não chegar no horário foi, aos poucos, alterando meu estado de ânimo. “Do jeito que está a tempestade só falta ter uma árvore derrubada a nos fechar a estrada”, revelei todo meu temor. “Isto não tem importância”, disse com seu jeito manso habitual. “Como assim?”, repliquei. “Viemos de longe e quando estamos quase chegando somos surpreendidos com essa chuva?”, revelei todo o meu nervosismo. “Por que se preocupar com o que não podemos interferir? Algumas coisas têm que acontecer, outras simplesmente não. Vamos fazer a nossa parte e esperar que o melhor aconteça”, deu uma pequena pausa e concluiu, “mesmo que a gente, no momento, não entenda a extensão da inteligência cósmica. Os dedos dos mestres são longos e mexem onde ainda não podemos ver. Acredite, tudo que acontece em nossas vidas é para o bem… até as catástrofes. E você sabe disto”.

Eu sabia que ele estava certo e apenas tinha que praticar os ensinamentos que já possuía. Por que sempre sabemos mais do que conseguimos vivenciar? Conhecimento sem prática não se transforma em sabedoria, é como pão adormecido na vitrine que não sacia a fome. Não disse mais palavra.

Diminuí a marcha em respeito ao tempo. Chegamos depois da hora marcada, porém a cerimônia atrasou em razão de que muitas outras pessoas enfrentaram a mesma chuva. Cumprimentamos a todos e depois, discretamente, nos dirigimos aonde repousava o corpo de minha avó para encaminhar, em silêncio, sua alma em paz para a outra estação da vida. Ao final de tudo nos despedimos das pessoas, algumas bastante emocionadas, outras presentes por obrigação social ou familiar. E seguimos para o aeroporto, vez que pegaríamos o voo de volta naquele mesmo dia, próximo à meia-noite. Na estrada lamentei com o Velho que tinha ficado triste com a maneira quase impessoal que alguns parentes tinham me tratado. “Isto não tem importância”, tornou a repetir o mantra. “Não se pode dar o que não se tem. São corações ainda desertos de amor”. E mais uma vez o Velho mostrava que nas bifurcações do Caminho a compaixão era a placa que indicava o destino do sol.

No entanto comentei que tive vontade de abraçar mais longamente um primo que havia sido criado comigo, com quem tive uma briga, há tempos, bem antes do meu iniciado na Ordem, nunca resolvida. Talvez tivesse sido a hora de nos perdoarmos. Na época éramos, os dois, ainda tão imaturos, que olhando para trás, agora, parecíamos até mesmo outras pessoas. Somente o perdão teria força para me libertar da amargura que ainda sentia. Encontrei os olhos do Velho pelo espelho retrovisor a me fitar seriamente. Ri e disse que já sabia que ele falaria: aquilo não tinha importância. O Velho me tocou no braço e me repreendeu. “Não, Yoskhaz. Isto tem importância, sim. Vamos voltar agora”. Diante do meu espanto, insistiu para que retornássemos imediatamente. “Costurar laços entre corações é o sentido da vida”, explicou. Lembrei-lhe que se fizéssemos isto perderíamos o voo, teríamos várias despesas que não estavam previstas e outros compromissos restariam prejudicados. Enfim, seria uma enorme confusão.

“Isto não têm importância”, o Velho tornou a sentenciar o mantra com um sorriso maroto.

E voltamos.

Que a luz esteja com todos nós!

Fonte: http://yoskhaz.com/2015/08/15/isto-nao-tem-importancia/

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s